domingo, 23 de setembro de 2007

MARINHA

Navego pelo corpo que me cobre
e me pressente
e traço histórias loucas
de vontade e mansidão.
Sigo pela noite,
entre atenta e entorpecida
envolta em vagas ondas
neste exato, vago mar..

18 comentários:

Gustavo Chaves disse...

ao menos navega em si mesmo!
adoro aqui gente!
bjusss

Moacy Cirne disse...

Navegar é preciso. Beijos.

ACANTHA disse...

Que elogio mais doce, GUSTAVO!!!

ACANTHA disse...

Adoro suas visitas, MOACY!

Moacy Cirne disse...

Oi, há poema seu no Balaio. Beijos.

Fernanda Passos disse...

O mar de anseios....
Lindo acantha.
bjs.

Paulo Bono disse...

um curto oceano.
abração

adelaide amorim disse...

Gostoso de ler e sentir, esse seu poema. Um beijo grande, boa semana.

Francisco Sobreira disse...

Minha amiga,
Mais um bonito poema, desde o verso inicial. Beijo.

Jens disse...

Florzinha:
Que seja suave o teu navegar, serena a tua viagem...
Um beijo.

ACANTHA disse...

Moacy, grata. Sempre!! É uma honra.

ACANTHA disse...

Gentil, FERNANDA.. Obrigada!!

ACANTHA disse...

Um imenso oceano, PAULO...

ACANTHA disse...

Obrigada pela doçura, ADELAIDE..

ACANTHA disse...

Meu querido FRANCISCO: mais um bonito elogio, do qual não sou merecedora..

ACANTHA disse...

Se você acompanhá-la, será, JENS...

sandra camurça disse...

Belo, querida, belo...
Um beijo.

ACANTHA disse...

Você o é, SANDRA!