quinta-feira, 20 de setembro de 2007

CLANDESTINA

Aqui,
desconcertada e convexa,
entre fadas e alfaces,
camomila e algodão,
rio da contrária realidade
que,
erudita,
não subscrevo.
Perdi-me em mim.

6 comentários:

Jens disse...

Florzinha:
"Perdi-me em mim". Que coisa mais maravilhosa. E verdadeira.
Mas não te apoquentes: ainda vais te encontrar em alguém.

ACANTHA disse...

JENS, JENS.. Se eu perguntasse 'em quem", seria uma rima, não uma solução...(Desculpe, Drummond..)

Fernanda Passos disse...

Vivo me perdendo nos labirintos que me constituem, só pra depois me encontrar.
Belíssima poesia. Tenho várias que expressam em mesmo " perder-se".
Você é muito talentosa. Será uma honra se quiser virar "freguesa". Rsrsrsrs.
E eu, posso virar tb?
Beijos.

ACANTHA disse...

Deve, FERNANDA, deve... E, não elogie muito não..eu fico insuportável..

Fernanda Passos disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
pode ficar. eu n ligo. volto assim mesmo.
beijuxxx

ACANTHA disse...

Agora já me viciei nos seus elogios! Está mesmo é intimada a voltar, FERNANDA!!!