segunda-feira, 17 de setembro de 2007

ENIGMA

...Assim vagueio
por teus olhos de absinto
que se fecham
enquanto em mim te deitas.
Decifra-me.
E me devora...

5 comentários:

sandra camurça disse...

Plagiou nada, você me reciclou e fez melhor ainda. Eu dei o mote e você desenvolveu. Isso é ótimo, Acantha! Falando sério, vaidades não levam a nada. E acho a maior besteira esses artistas, escritores e poetas que ficam acusando o outro de plágio. O que é que tem demais se inspirar no que outra pessoa fez? Ninguém cria do nada. É a lei de Lavoisier: nada se cria tudo se transforma.
Uma vez vi um tirinha hilária do Angeli, onde uns jovens cartunistas mostravam a ele suas criações. Aí Angeli apontava o dedo e dizia , "Ah, essa idéia eu tive em 1974, e essa aqui em 78, essa aqui em 80...'. Não é que os rapazes tivessem plagiando ele mas às vezes a gente acha que tá criando algo inusitado e alguém já vez. Por isso acho a maior besteira ficar se preocupando se o outro está imitando ou não. Sem falar que sou a favor do copyleft e contra o copyright. Sacou, maninha? Ah, Você já fez poemas em grupo, eu já fiz, é muito divertido, uma suruba poética, hehehe...

Gosto muito de ti, Acantha
e te admiro muito, viu?
Beijos.

ACANTHA disse...

Tenho um amigo que diz que as palavras não tem dono.
Felizmente, SANDRA!!
E também gosto muito, muito mesmo de você. De verdade.
E, minha admiração, você já cansou de ler, né não???

Marisinha disse...

Oi meninas.
Deixa eu jogar um pouco de confete também: adoro às duas.
O Jens está semana tá de castigo. Sou a dona da festa.
Beijos.

Marisinha disse...

Acantha:
acho que não tem a crase que eu coloquei acima. lembrando F. Gullar: a crase não foi feita pra humilhar ninguém. Mas a gente não precisa exagerar, né? Sorry (Hihihi...)
Beijoca.

ACANTHA disse...

Você também é ótima, DONA MARISINHA!!!
É bom que o bravo guerreiro descanse.. E, preocupa com a crase não..