quinta-feira, 1 de novembro de 2007

CAMINHO


Busco um tempo...
reparto quartos,
abandono espelhos
adivinho caminhos,
perco sentidos
e olhares.
Lavro palavras,
alimento momentos
manifesto gestos,
exercito infinitos
e altares.
Elucido partidas
recorto portas
verto desertos
trespasso espaços
aos luares.
Grito silêncios
provoco bocas
enredo sedas

trilho o incerto
e crio lugares...
Em letras indecifráveis.


(Hoje, também no CONTROVERSOS . Leiam...)

24 comentários:

Bruxinhachellot disse...

Um caminho que deve ser visitado outras vezes. Gostei do teu caminho.

Beijos de Sol e de Lua.

Vieira Calado disse...

Um ritmo certo, como se deseja neste tipo de poemas, e excelente fluência e transposição de verso para verso.
Bom fim de semana.

Ro Druhens disse...

Eu só sei que acho lindo!!! Muito lindo! Beijo

sandra camurça disse...

Me ensina a fazer poesia, por favor!
Um beijo.

Francisco Sobreira disse...

Caríssima Acantha,
Como eu não tenho a capacidade crítica de um Moacy, por exemplo, sou obrigado a me repetir na minha admiração pela sua poesia. Assim, tenho que dizer, mais uma vez, que me atrai demais a capacidade de síntese dos seus poemas (o que não é fácil de conseguir) e o ritmo dos versos. É isso, amiga. Um beijo e um ótimo fim de semana.

Erika disse...

ai, como vc domina as letrinhas maravilhosamente bem.

beijo

Paulo Bono disse...

pergunte ao pó por onde anda Acantha.

abraço, essa menina

Fernanda Passos disse...

Lindooo. Vc parte, reparte e, no fim, constrói sempre um belo poema.

alex sens disse...

poeta, cá entre nós: que coisa linda! gostei da idéia de abandonar espelhos, isso é um desafio para a maioria dos homens.

Acantha disse...

Muito obrigada, BRUXINHA... Venha sempre me visitar!!

Acantha disse...

Sempre generoso nos comentários, VIEIRA CALADO.. Obrigada!!

ACANTHA disse...

Linda é você, RO...

Acantha disse...

Ah, SANDRA... Você é meu modelo, irmã querida..

Acantha disse...

FRANCISCO querido.. Não posso discutir capacidades críticas, mas entendo um pouco do que me deixa feliz.
Nas minhas alegrias, incluo seus comentários sempre muito gentis e estimulantes!! Isso certamente me é muito caro!!!

acantha disse...

Ai como você é exagerada, ERIKA!

acantha disse...

Escreva-lhe, que Acantha conta, PAULO...

Acantha disse...

Que lindo seu comentário FERNANDA querida...

acantha disse...

Verdade, ALEX.. Espero ter conseguido esse abandono...

Moacy Cirne disse...

Em busca do tempo perdido e das letras indecifráveis, o poema se faz ao (l)a(v)arar palavras: as suas palavras. Um beijo.

Natália Nunes disse...

Eu também exercito infinitos e verto desertos.

Lindo isso!

ACANTHA disse...

Obrigada pela classe e gentilezas de sempre, MOACY querido!

ACANTHA disse...

Que doce, NATÁLIA!! Obrigada!

Moacy Cirne disse...

Tem surpresa pra você no balaio, viu?!? Um abraço.

ACANTHA disse...

Vi, MOACY..
E ADOREI!!!
Obrigada. De novo e sempre!