segunda-feira, 27 de agosto de 2007

ASSIM

Trinco os dentes,
engulo o sal,
arranho a carne,
vomito a dor,
sorrio o grito,
sufoco o fim...
enquanto sangro.

16 comentários:

Moacy Cirne disse...

Seus poemas curtos merecem longos comentários. Mas como fazê-los se o nosso tempo, a cada novo dia, mais se estreita? Fica o registro, para uma outra oportunidade. E enquanto você engole o sal e arranha a carne, nós sentimos a sua poesia. Um abraço.

Jens disse...

Florzinha:
O que está contecendo com você? Qual a razão deste maravilhoso surto de criatividade? Estás em busca da perfeição?
Lindo e forte.
Um beijo.

sandra camurça disse...

Eita que eu nem sei o que dizer...Moacy e Jens disseram tudo. Lindo!

Ó, gostei do seu comentário sobre as formigas, que parece canto de cigarra.:D

Beijo grande, poeta!
retificando:
Beijo, grande poeta!

ACANTHA disse...

Quem dera soubesse eu o que fazer do tempo, MOACY... Ele é meu algoz e redentor...
Grata pelos elogios exagerados!!!

ACANTHA disse...

Perfeição, eu? Devem ser seus olhos oblíquos, JENS...

ACANTHA disse...

Você se parece sim com uma cigarra menina, SANDRA.
E como toda menina, intensa nos afetos!!!

Gustavo Chaves disse...

essa doeu um pouco!
muito, mas muito criativa

Francisco Sobreira disse...

Cara Acantha,
Poderia fazer minhas as palavras de Moacy. Mas além delas gostaria de dizer como admiro, em seus poemas, a capacidade de síntese e o ritmo. Um beijo.

Acantha disse...

Pode acreditar que doeu muito mais em mim, GUSTAVO... (Brincadeira, mas foi irresistível..) Obrigada!!!

Acantha disse...

Ah, FRANCISCO... Que doce.. Obrigada. Muito e mesmo!!!

sandra camurça disse...

Curso pra aprender a fazer poemas curtos, Bah! Era só o que me faltava... Você sabe que tem poder de síntese, sabe sim, deixa de besteira, se não se não... eu dou um peteleco na sua orelha, rsrs.

Beijos,
Ah, também te amo, viu?

Paulo Bono disse...

confesso que poemas não são o meu forte. mas esse me fez sentir alguma parada.
abraço

ACANTHA disse...

Peteleque, SANDRA...

ACANTHA disse...

Obrigada, PAULO. Venha sempre!!

Moacy Cirne disse...

Aguardamos novos poemas... Beijos.

ACANTHA disse...

Fosse eu tão profícua, MOACY querido...